Navio porta-contêineres

Navio porta-contêineres

As rotas comerciais marítimas de navios porta-contêineres, que apareceram e se propagaram depois da 2ª Guerra Mundial, formam hoje uma rede global.

Tecnologia

Palavras-chave

cargueiro, contentor, navio de carga, barco, porto, comércio, carregar, transporte, convés, radar, ponte, capacidade de transporte, rotas, oceano, mar, mapa, globo, Terra, sociedade, economia, técnica, geografia

Itens relacionados

Cenas

Navio porta-contêineres

Navios de carga

O transporte marítimo tem sido uma das principais formas de transporte desde os tempos antigos. Apesar de, no início da Era Moderna (como resultado dos Descobrimentos), as formas de transporte marítimo terem sido transformadas, este meio de transporte sofreu uma verdadeira revolução na segunda metade do século XX.
Após a 2ª Guerra Mundial, apareceu um grande número de petroleiros carregando enormes quantidades de líquidos e navios de carga com bens em contêineres. Os navios porta-contêineres já eram usados na Grã-Bretanha em 1925.
O aparecimento deste novo tipo de barcos levou a um decréscimo nas perdas de mercadorias ao carregar e descarregar, assim como numa redução no tempo e custos. O único problema é a longa demora na entrega. Estes barcos gigantes viajam por todo o mundo e as suas rotas começam em portos igualmente gigantes.

Navio porta-contêineres moderno

Vista superior

O navio porta-contêineres

As dimensões impressionantes dos navios de carga não ficam atrás das dos porta-aviões. O seu comprimento é de 300-400 metros, a sua largura 50-60 metros e a sua altura 13-15 metros. A sua velocidade ronda normalmente os 20–25 nós (37-46 km/h).
Os fatores mais importantes no design do casco são fornecer balanço e segurança, e ainda maximizar a capacidade de transporte.
A sua característica mais importante é o tamanho do espaço de armazenamento de carga e a proa. Nos navios dos anos 70, já era possível transportar 2000-3000 contêineres, e este valor continua a aumentar; hoje já é possível transportar cerca de 20 mil contêineres.

Convés

Funcionalidade acima de tudo

O convés dos navios de carga tem um design muito característico: A maior parte da superfície é plana para a segurança e para a correta fixação dos contêineres. Para facilitar a rápida fixação dos contêineres de tamanho normal, o tamanho dos espaços de carga e das escotilhas é estandardizado. Apesar dos primeiros contêineres terem sido feitos nos anos 20, o seu uso tornou-se popular apenas nos anos 60. O tamanho médio dos contêineres é de cerca de 2,5 m de largura e altura e 6 ou 12 m de comprimento. Os contêineres são feitos de materiais resistentes e são trancados e fixos por mecanismos especiais.
A sua carga e descarga demora 5 ou 6 vezes menos do que no caso de navios de carga tradicionais. Naturalmente, os portos têm de estar equipados com estruturas especiais.
A superestrutura de vários andares encontra-se na parte central do navio. Contém a ponte de comando, as salas de comunicação e navegação, o alojamento da tripulação e outros quartos.

Corte transversal

Construção

  • propulsor de proa
  • proa
  • radar
  • ponte de comando
  • luz de mastro
  • Contêiner
  • chaminé
  • hélice
  • leme

Contêiner

  • comprimento: 12,19 m
  • largura: 2,44 m
  • altura: 2,59 m

Tráfego marítimo

  • Ningbo
  • Xangai
  • Singapura
  • Roterdã, Antuérpia
  • Cantão
  • Tianjin
  • Port Hedland
  • Houston
  • Nova Orleães
  • Busan
  • Nagoia
  • Porto Kelang
  • Cabo da Boa Esperança
  • Estreito de Malaca
  • Canal do Panamá
  • Cabo Horn
  • Canal de Suez
  • Estreito de Gibraltar

Hoje em dia, o transporte marítimo é caracterizado pela predominância de navios de carga para mercadorias pesadas através de grandes distâncias. De todos as modalidades, o transporte aquático é o mais econômico, possuindo o mais baixo consumo de energia. É capaz de transportar cargas mais pesadas com poluição ambiental mínima. A sua desvantagem está no fato de ser mais lento, sendo apropriado apenas para mercadorias que mantêm a sua qualidade durante um longo período de tempo. Ningbo, Pequim, Singapura e Roterdã são os centros mais importantes do transporte marítimo.

Comparação

  • emissão de CO₂ (1 tonelada de carga, 1 km, gramas de CO₂ emitidas)
  • Custo e tempo de transporte de um contêiner de 40 pés (China–Europa ocidental)
  • tempo (dias)
  • custo (USD)
  • Consumo de energia (carga – %)
  • Capacidade de transporte (TEU)
  • transporte marítimo
  • transporte ferroviário
  • transporte rodoviário
  • emissão de CO₂
  • custo
  • consumo de energia
  • capacidade de transporte

Animação

  • propulsor de proa
  • proa
  • radar
  • ponte de comando
  • luz de mastro
  • Contêiner
  • chaminé
  • hélice
  • leme
  • comprimento: 12,19 m
  • largura: 2,44 m
  • altura: 2,59 m
  • Ningbo
  • Xangai
  • Singapura
  • Roterdã, Antuérpia
  • Cantão
  • Tianjin
  • Port Hedland
  • Houston
  • Nova Orleães
  • Busan
  • Nagoia
  • Porto Kelang
  • Cabo da Boa Esperança
  • Estreito de Malaca
  • Canal do Panamá
  • Cabo Horn
  • Canal de Suez
  • Estreito de Gibraltar
  • emissão de CO₂ (1 tonelada de carga, 1 km, gramas de CO₂ emitidas)
  • Custo e tempo de transporte de um contêiner de 40 pés (China–Europa ocidental)
  • tempo (dias)
  • custo (USD)
  • Consumo de energia (carga – %)
  • Capacidade de transporte (TEU)
  • transporte marítimo
  • transporte ferroviário
  • transporte rodoviário
  • emissão de CO₂
  • custo
  • consumo de energia
  • capacidade de transporte

Narração

O transporte marítimo tem sido uma das principais formas de transporte desde os tempos antigos. Apesar de, no início da Era Moderna (como resultado dos Descobrimentos), as formas de transporte marítimo terem sido transformadas, este meio de transporte sofreu uma verdadeira revolução na segunda metade do século XX.
Após a 2ª Guerra Mundial, apareceu um grande número de petroleiros carregando enormes quantidades de líquidos e navios de carga com bens em contêineres. Os navios porta-contêineres já eram usados na Grã-Bretanha em 1925.
O aparecimento deste novo tipo de barcos levou a um decréscimo nas perdas de mercadorias ao carregar e descarregar, assim como numa redução no tempo e custos. O único problema é a longa demora na entrega. Estes barcos gigantes viajam por todo o mundo e as suas rotas começam em portos igualmente gigantes.

As dimensões impressionantes dos navios de carga não ficam atrás das dos porta-aviões. O seu comprimento é de 300-400 metros, a sua largura 50-60 metros e a sua altura 13-15 metros. A sua velocidade ronda normalmente os 20–25 nós (37-46 km/h).
Os fatores mais importantes no design do casco são fornecer balanço e segurança, e ainda maximizar a capacidade de transporte.
A sua característica mais importante é o tamanho do espaço de armazenamento de carga e a proa. Nos navios dos anos 70, já era possível transportar 2000-3000 contêineres, e este valor continua a aumentar; hoje já é possível transportar cerca de 20 mil contêineres.

O convés dos navios de carga tem um design muito característico: A maior parte da superfície é plana para a segurança e para a correta fixação dos contêineres. Para facilitar a rápida fixação dos contêineres de tamanho normal, o tamanho dos espaços de carga e das escotilhas é estandardizado. Apesar dos primeiros contêineres terem sido feitos nos anos 20, o seu uso tornou-se popular apenas nos anos 60. O tamanho médio dos contêineres é de cerca de 2,5 m de largura e altura e 6 ou 12 m de comprimento. Os contêineres são feitos de materiais resistentes e são trancados e fixos por mecanismos especiais.
A sua carga e descarga demora 5 ou 6 vezes menos do que no caso de navios de carga tradicionais. Naturalmente, os portos têm de estar equipados com estruturas especiais.
A superestrutura de vários andares encontra-se na parte central do navio. Contém a ponte de comando, as salas de comunicação e navegação, o alojamento da tripulação e outros quartos.

Hoje em dia, o transporte marítimo é caracterizado pela predominância de navios de carga para mercadorias pesadas através de grandes distâncias. De todos as modalidades, o transporte aquático é o mais econômico, possuindo o mais baixo consumo de energia. É capaz de transportar cargas mais pesadas com poluição ambiental mínima. A sua desvantagem está no fato de ser mais lento, sendo apropriado apenas para mercadorias que mantêm a sua qualidade durante um longo período de tempo. Ningbo, Pequim, Singapura e Roterdã são os centros mais importantes do transporte marítimo.

Itens relacionados

Porto

Os portos têm de fornecer as infraestruturas e serviços necessários à indústria e transportes marítimos.

Canal de Suez

O Canal de Suez é uma hidrovia artificial entre o Mar Vermelho e o Mar Mediterrâneo.

Canal do Panamá

O Canal do Panamá é uma hidrovia artificial criada para encurtar as rotas marítimas entre o Oceano Pacífico e o Oceano Atlântico.

Eurotúnel

O Eurotúnel é um túnel ferroviário de 50,5 km de comprimento, localizado sob o Canal da Mancha e que liga o Reino Unido à França.

Funcionamento das eclusas fluviais

As eclusas tornam possivel a navegação dos rios com grandes diferenças de nível.

Obras Zuiderzee e Projeto Delta (Países Baixos)

Notáveis obras de engenharia civil indispensáveis na ancestral luta dos Países Baixos contra o mar.

Petroleiro

Os petroleiros apareceram no fim do século XIX e hoje pertencem ao grupo dos navios de maior porte.

Redes de transporte

A animação mostra as principais rotas aéreas, aquáticas e terrestres e também os nós de transporte.

Farol

Os faróis são usados para auxiliar a navegação em águas costeiras.

Barco a vapor Kisfaludy (1846)

O primeiro barco a vapor na Hungria entrou em serviço em 1846.

Barco a vapor North River (Clermont) (1807)

O engenheiro americano Robert Fulton concebeu o primeiro barco funcional movido a vapor.

Cruzador Aurora (1900)

Este navio russo ficou famoso durante a Revolução de Outubro de 1917.

Encouraçado (HMS Dreadnought, 1906)

O HMS Dreadnought revolucionou a forma de construir encouraçados no século XX.

Hovercraft, mark III SR N4

Os Hovercrafts podem se deslocar em alta velocidade sobre a superfície da água.

RMS Queen Mary 2 (2003)

O maior transatlântico do mundo na época de sua construção.

Titanic (1912)

O RMS Titanic foi o maior transatlântico do mundo no início do século XX.

USS Ohio (EUA, 1979)

A Marinha americana foi a primeira a utilizar a propulsão nuclear como fonte de energia nos seus submarinos, em meados do século XX.

USS Tarawa LHA-1 (1976)

A partir da década de 1940, os cada vez maiores porta-aviões se tornaram os senhores dos oceanos.

Added to your cart.