Funcionamento de um canhão (século XVIII)

Funcionamento de um canhão (século XVIII)

O canhão foi um importante tipo de arma de fogo no início da história moderna, de largo uso tanto em terra como no mar.

História

Palavras-chave

canhão, funcionamento do canhão, artilharia, tambor, carreta, bala de canhão, pólvora, fusível, pega-fogo, arma, Idade Moderna, impulso, chumaço

Itens relacionados

Cenas

Artilharia

Arma de fogo montada numa carreta

O canhão é uma arma de fogo de artilharia, de carregamento pela boca.
A sua história está intimamente relacionada com o uso de pólvora negra, inventada pelos chineses. Foi provavelmente trazida para a Europa pelos árabes e mongóis.

Um dos seus primeiros – provados – usos militares foi durante a Guerra dos Cem Anos, entre os ingleses e os franceses. Havia sido usada antes para o cerco de fortes e castelos. Mais tarde, apareceu também em batalhas, onde os exércitos opostos esperavam quebrar a ordem de batalha do inimigo usando o canhão. No século XVI, o canhão apareceu também em navios de guerra e propagou-se por todo o mundo com os conquistadores.

Durante o seu desenvolvimento, o peso dos canhões diminuiu, enquanto a sua eficiência aumentou (maioritariamente devido ao aparecimento do aço). Vários tipos de canhões foram desenvolvidos. Os exércitos modernos também usam este tipo de artilharia.

Disparo de arma de fogo

Estrutura de um canhão

  • tambor
  • carreta
  • fusível
  • prego

Estrutura e funcionamento

O elemento estrutural mais importante de um canhão é o tambor. No princípio, os tambores eram feitos de bronze. Mais tarde, de cobre e ferro. O aço foi usado pela primeira vez como material para moldagem de canhões no século XIX. Em relação ao comprimento e diâmetro do tambor, a variedade de artilharia produzida ao longo dos séculos é bastante diversa.
Outro elemento importante do canhão é a estrutura de suporte (carreta). Vários tipos de estruturas de suporte evoluíram, dependendo do propósito do canhão. Duas categorias básicas são carretas fixas e móveis.

O primeiro passo para carregar o canhão é inserir pólvora no tambor. A seguir, o projétil (bola de canhão) é inserido e, por fim, o chumaço, cujo propósito é servir de barreira. O fusível aceso faz explodir a pólvora, explosão essa que resulta num grande impulso contra o projétil. O projétil sai do tambor com grande velocidade e move-se numa trajetória plana, tendo um grande alcance de explosão.

Vista de corte de um canhão

  • tambor
  • carreta
  • pólvora negra
  • boca
  • bala de canhão
  • chumaço
  • fusível
  • prego
  • vareta
  • colher de pólvora
  • bota-fogo

Funcionamento de um canhão

Narração

O primeiro passo era encher o buraco de pólvora com uma colher. A pólvora era então acomodada e um chumaço era empurrado para o buraco com uma vareta. Depois era colocada uma bala de canhão no buraco. A carga era selada com mais um chumaço e um fusível era inserido na abertura. Por fim, o fusível era ateado com um bota-fogo. A explosão da pólvora dava um enorme impulso ao projétil, que deixava o buraco a uma enorme velocidade, muitas vezes atirando o canhão para trás se este não estivesse adequadamente fixado.

Itens relacionados

Canhão naval (século XVII)

Os canhões também eram usados em batalhas navais.

Armas (1ª Guerra Mundial)

Durante 1ª Guerra Mundial, a busca por novos armamentos proporcionou grandes avanços na tecnologia militar.

As Guerras Napoleônicas

Napoleão I, que coroou a si próprio imperador, foi um dos mais brilhantes comandantes militares da história.

Bastilha (Paris, século XVIII)

A prisão parisiense tornou-se lendária, após a Revolução de 1789.

Carruagens do correio (Grão-Bretanha, século XVIII)

Antes do aparecimento dos veículos motorizados, as cartas e encomendas eram enviadas em carruagens puxadas por cavalos.

Complexo do Castelo de Mir (século XVII)

O Complexo do Castelo de Mir, situado na cidade de Mir, Bielorrússia, foi construído em estilo gótico-renascentista.

Czar Pedro I com sua mulher

O Czar tentou modernizar o Império Russo, influenciado pelo modelo da Europa Ocidental.

Fortaleza de carroças hussita

Os hussitas aperfeiçoaram a utilização de carroças de guerra no século XV.

Fortaleza de Nizwa (Omã, século XVII)

A torre redonda da maior fortaleza da Península Arábica tinha um engenhoso sistema de defesa.

Inventos de Leonardo da Vinci - Máquinas de guerra

Leonardo também desenhou várias armas de artilharia.

Inventos de Leonardo da Vinci - Tanque blindado

O desenho para o tanque blindado cumpre os principais requisitos militares: fiabilidade, transportabilidade e grande poder de fogo.

Roda de fogo

Esta arma letal, uma roda de moinho de água carregada com pólvora e óleo, foi inventada pelos defensores do Castelo de Eger e usada contra os atacantes...

Soldados da Guerra Civil Americana

A Guerra Civil Americana opôs a Confederação do Sul à União do Norte.

Sultão otomano (século XVI)

O Sultão era o líder do Império Otomano, senhor da vida e da morte.

Cerco de Belgrado (4 a 22 julho de 1456)

Esta foi a maior batalha na história das guerras entre Húngaros e Otomanos, no século XV. A sua memória foi preservada no toque diário dos sinos, ao...

Tanque (2ª Guerra Mundial)

Os tanques foram os principais protagonistas da 2ª Gurra Mundial.

Tanque leve Toldi 38 M

Este tanque leve foi usado pelo Exército Real Húngaro na Segunda Guerra Mundial.

Tanques (1ª Guerra Mundial)

Os tanques desenvolvidos em meados dos anos 1910 rapidamente se tornaram a arma mais importante em operações militares terrestres.

Castelo de Eger (século XVI)

O Castelo de Eger recebeu a sua forma final e tornou-se um elemento importante da linha fronteiriça de fortificações no século XVI.

Castelo gótico quadrangular (Gyula, Hungria)

Castelo de tijolo situado no sudeste da Hungria, teve as suas partes mais antigas provavelmente construídas em finais do século XIV.

O soldadinho de chumbo

A personagem lendária de Hans Christian Andersen volta à vida num diorama.

Soldados da Guerra da Independência Húngara (1848-1849

Nas batalhas da Guerra da Independência Húngara estiveram sobretudo envolvidos húngaros, outros povos do Império e russos.

Added to your cart.