O trajeto do Sol nos principais paralelos da Terra

O trajeto do Sol nos principais paralelos da Terra

O aparente movimento do Sol é a consequência da rotação da Terra em torno do seu eixo.

Geografia

Palavras-chave

Sol, Terra, rotação, eixo de rotação, Trópico de Câncer, Trópico de Capricórnio, Equador, Círculo Ártico, Círculo Antártico, horizont, zenit, eclíptica, esfera celestial, solstício de inverno, solstício de verão, equinócio, solstício, culminação, primavera, verão, outono, inverno, estação, sistema circulatório, ano, calendário, mês, meses, ângulo de incidência, luz solar, duração da insolação, mudança das estações, geografia física, astronomia, geografia

Extras relacionados

Perguntas

Cenas

Relação entre a Terra e a esfera celeste

  • eclíptica - O plano da órbita da Terra em torno do Sol.
  • equador celeste - Uma projeção do equador terrestre na esfera celeste.
  • pólo norte celeste - O ponto norte da intersecção do eixo da Terra com a esfera celeste.
  • zénite - O ponto imaginário da esfera celeste na vertical acima da cabeça do observador.
  • horizonte - A intersecção entre a esfera celeste e o plano tangente à superfície da Terra.
  • 23,5 °
  • radiação solar

Os corpos celestes acima de nós, incluindo o Sol, aparentam estar em movimento durante o dia. Este fenómeno é causado pela rotação da Terra em torno do seu eixo de oeste para este. Como resultado disto, para o observador, o Sol parece mover-se de este para oeste. O trajeto aparente do Sol é uma órbita na esfera celeste, ou seja, no céu, que se parece com uma cúpula expandindo-se acima da Terra.

O conceito de "horizonte" é essencial para a navegação astronómica. Em termos simples, o horizonte é o lugar onde a Terra e o céu se encontram. Por outras palavras, é a intersecção da esfera celeste com o plano tangente à superfície da Terra.

Uma linha reta imaginária traçada verticalmente acima da cabeça do observador é perpendicular ao plano de observação. O ponto onde a linha cruza a esfera celeste é chamado zénite. Por outras palavras, é o ponto mais alto acima da cabeça do observador.

Se o eixo da Terra for traduzido para o lugar do observador e for estendido, ele interceta a esfera celeste nos pólos norte e sul celestes.

A eclíptica é o plano da órbita da Terra em torno do Sol. O eixo da Terra e da eclíptica formam um ângulo de 66,5°. Consequentemente, os raios solares são perpendiculares à superfície da Terra em diferentes lugares ao longo do ano e são perpendiculares à linha do Equador apenas duas vezes por ano.

Nestes dois dias, o Sol passa exactamente a mesma quantidade de tempo acima e abaixo do horizonte em todas as latitudes do mundo, o que significa que o dia e a noite têm a mesma duração. Estes dias são chamados de equinócio de primavera e equinócio de outono.

Há dois dias, no final de junho e dezembro, em que os raios solares são perpendiculares à Terra nas latitudes 23,5° norte e sul. Em junho, o Sol passa mais tempo acima do horizonte no hemisfério norte, enquanto em dezembro, passa mais tempo no hemisfério sul. Estes dois paralelos têm os nomes de Trópico de Câncer e Trópico de Capricórnio.

Após estes dias, os raios solares são perpendiculares à Terra em latitudes inferiores a 23,5°. Por conseguinte, tanto o Trópico de Câncer como o Trópico de Capricórnio representam uma mudança na trajetória aparente do Sol. O tempo dessa mudança chama-se solstício de verão e de inverno.

Como consequência, a elevação do meio-dia do Sol é maior no hemisfério norte do que no hemisfério sul a partir do momento do equinócio de primavera e até ao momento do equinócio de outono. O ângulo de inclinação dos raios do Sol no hemisfério norte é maior e fornece mais energia. Como resultado, o verão prevalece no hemisfério norte e o inverno no hemisfério sul. Naturalmente, acontece o oposto em relação ao equinócio de outono e ao equinócio de primavera.

Durante o solstício de verão, a linha divisória entre o dia e a noite e o eixo da Terra formam um ângulo de 23,5°, o que faz com que esta linha não atinja latitudes superiores a 66,5° N ou S. Estes paralelos têm nomes diferentes: Círculo Polar Ártico e Círculo Polar Antártico.

Durante o solstício de verão, as latitudes acima de 66,5° no hemisfério norte estão totalmente iluminadas durante 24 horas, enquanto as latitudes superiores aos 66,5° no hemisfério sul estão em completa escuridão. Durante o solstício de inverno, a situação é exatamente oposta.

Enquanto os dias passam, com a excepção destes dois dias, o ângulo do eixo da Terra e a linha divisória entre o dia e a noite tornam-se gradualmente inferiores a 23,5°. Assim, a região onde o dia ou noite dura 24 horas tornar-se-á cada vez menor.

Finalmente, durante o equinócio de primavera e de outono, a linha divisória entre o dia e a noite está nos pólos e a duração do dia e da noite é igual em todo o lado.

Nas zonas dentro do Círculo Polar Ártico e Antártico, o dia e a noite alternam regularmente, mas as suas durações diferem. A duração do dia depende da latitude geográfica e da posição do Sol e da Terra, ou seja, da data.

A linha divisória entre o dia e a noite divide o Equador, de forma a que a duração dos dias e das noites seja sempre a mesma: 12 horas.

Esfera celeste

Ângulo dos raios solares

  • primavera
  • verão
  • outono
  • inverno
  • equinócio de primavera - Neste dia, o Sol passa exactamente o mesmo tempo acima e abaixo do horizonte, ou seja, o dia e a noite têm a mesma duração. Data: 20 ou 21 de março.
  • solstício de verão - Neste dia, o Sol passa mais tempo acima do horizonte no hemisfério norte. A trajetória aparente do Sol muda e dirige-se para sul. Data: 20, 21 ou 22 de junho.
  • equinócio de outono - Neste dia, o Sol passa exactamente o mesmo tempo acima e abaixo do horizonte, ou seja, o dia e a noite têm a mesma duração. Data: 22 ou 23 de setembro.
  • solstício de inverno - Neste dia, o Sol passa mais tempo acima do horizonte no hemisfério sul. A trajetória aparente do Sol muda e dirige-se para norte. Data: 21 ou 22 de dezembro.
  • mudança das estações

Movimento aparente do Sol nos principais paralelos

  • Círculo Polar Ártico - O paralelo principal que se encontra a 66,5° N. A norte dele, há pelo menos um dia por ano em que o Sol não nasce nem se põe.
  • Trópico de Câncer - O paralelo principal que se encontra a 23,5 ° N. É o paralelo mais a norte, onde o ângulo do Sol pode atingir os 90° (uma vez por ano, no solstício de verão, no dia 20, 21 ou 22 de junho).
  • Equador - Paralelo com 0° de latitude.
  • Trópico de Capricórnio - O paralelo principal que se encontra a 23,5 ° S. É o paralelo mais a sul, onde o ângulo do Sol pode atingir os 90° (uma vez por ano, no solstício de verão do hemisfério sul, no dia 21 ou 22 de dezembro).
  • Círculo Polar Antártico - O paralelo principal que se encontra a 66,5° S. A sul dele, há pelo menos um dia por ano em que o Sol não nasce nem se põe.
  • N
  • S
  • E
  • O
  • hemisfério norte
  • hemisfério sul

Jogo

Animação

  • equinócio de outono/primavera
  • solstício de verão
  • solstício de inverno
  • Círculo Polar Ártico
  • Círculo Polar Antártico
  • Trópico de Capricórnio
  • Equador
  • Trópico de Câncer
  • Equinócio de primavera

Narração

Os corpos celestes acima de nós, incluindo o Sol, aparentam estar em movimento durante o dia. Este fenómeno é causado pela rotação da Terra em torno do seu eixo de oeste para este. Como resultado disto, para o observador, o Sol parece mover-se de este para oeste. O trajeto aparente do Sol é uma órbita na esfera celeste, ou seja, no céu, que se parece com uma cúpula expandindo-se acima da Terra.

O conceito de "horizonte" é essencial para a navegação astronómica. Em termos simples, o horizonte é o lugar onde a Terra e o céu se encontram. Por outras palavras, é a intersecção da esfera celeste com o plano tangente à superfície da Terra.

Uma linha reta imaginária traçada verticalmente acima da cabeça do observador é perpendicular ao plano de observação. O ponto onde a linha cruza a esfera celeste é chamado zénite. Por outras palavras, é o ponto mais alto acima da cabeça do observador.

Se o eixo da Terra for traduzido para o lugar do observador e for estendido, ele interceta a esfera celeste nos pólos norte e sul celestes.

A eclíptica é o plano da órbita da Terra em torno do Sol. O eixo da Terra e da eclíptica formam um ângulo de 66,5°. Consequentemente, os raios solares são perpendiculares à superfície da Terra em diferentes lugares ao longo do ano e são perpendiculares à linha do Equador apenas duas vezes por ano.

Nestes dois dias, o Sol passa exactamente a mesma quantidade de tempo acima e abaixo do horizonte em todas as latitudes do mundo, o que significa que o dia e a noite têm a mesma duração. Estes dias são chamados de equinócio de primavera e equinócio de outono.

Há dois dias, no final de junho e dezembro, em que os raios solares são perpendiculares à Terra nas latitudes 23,5° norte e sul. Em junho, o Sol passa mais tempo acima do horizonte no hemisfério norte, enquanto em dezembro, passa mais tempo no hemisfério sul. Estes dois paralelos têm os nomes de Trópico de Câncer e Trópico de Capricórnio.

Após estes dias, os raios solares são perpendiculares à Terra em latitudes inferiores a 23,5°. Por conseguinte, tanto o Trópico de Câncer como o Trópico de Capricórnio representam uma mudança na trajetória aparente do Sol. O tempo dessa mudança chama-se solstício de verão e de inverno.

Como consequência, a elevação do meio-dia do Sol é maior no hemisfério norte do que no hemisfério sul a partir do momento do equinócio de primavera e até ao momento do equinócio de outono. O ângulo de inclinação dos raios do Sol no hemisfério norte é maior e fornece mais energia. Como resultado, o verão prevalece no hemisfério norte e o inverno no hemisfério sul. Naturalmente, acontece o oposto em relação ao equinócio de outono e ao equinócio de primavera.

Durante o solstício de verão, a linha divisória entre o dia e a noite e o eixo da Terra formam um ângulo de 23,5°, o que faz com que esta linha não atinja latitudes superiores a 66,5° N ou S. Estes paralelos têm nomes diferentes: Círculo Polar Ártico e Círculo Polar Antártico.

Durante o solstício de verão, as latitudes acima de 66,5° no hemisfério norte estão totalmente iluminadas durante 24 horas, enquanto as latitudes superiores aos 66,5° no hemisfério sul estão em completa escuridão. Durante o solstício de inverno, a situação é exatamente oposta.

Enquanto os dias passam, com a excepção destes dois dias, o ângulo do eixo da Terra e a linha divisória entre o dia e a noite tornam-se gradualmente inferiores a 23,5°. Assim, a região onde o dia ou a noite dura 24 horas tornar-se-á cada vez menor.

Finalmente, durante o equinócio de primavera e de outono, a linha divisória entre o dia e a noite está nos pólos e a duração do dia e da noite é igual em todo o lado.

Nas zonas dentro do Círculo Polar Ártico e Antártico, o dia e a noite alternam regularmente, mas as suas durações diferem. A duração do dia depende da latitude geográfica e da posição do Sol e da Terra, ou seja, da data.

A linha divisória entre o dia e a noite divide o Equador, de forma a que a duração dos dias e das noites seja sempre a mesma: 12 horas.

Extras relacionados

Mudança das estações (intermédio)

Devido ao eixo inclinado da Terra, o ângulo dos raios solares está continuamente a mudar ao longo do ano.

Zonas climáticas

A Terra encontra-se dividida em zonas geográficas e climáticas.

Antigos instrumentos de navegação

Ao longo dos séculos, foram inventados diversos engenhosos instrumentos para ajudar na navegação marítima.

Eclipse solar

Quando o Sol, a Terra e a Lua estão dispostos em linha reta, a Lua pode parcialmente ou completamente esconder Sol.

Efeito de estufa

A atividade humana aumenta o efeito de estufa e conduz ao aquecimento global.

Estilo de vida tradicional dos Esquimós

Os iglus eram moradias típicas construídas pelos Esquimós na região do Ártico.

Fusos horários

A Terra está dividida em 24 fusos horários e cada zona corresponde um horário padrão.

Medição do Tempo

Os primeiros calendários e instrumentos de medição de tempo eram já usados nas antigas civilizações orientais.

O Sol

O diâmetro do Sol é cerca de 109 vezes maior que o da Terra. A maior parte da sua massa é composta por hidrogénio.

Planetas, dimensões

Os planetas interiores do sistema solar são planetas terrestres, enquanto os exteriores são gigantes gasosos.

Sistema de coordenadas geográficas

O sistema de coordenadas geográficas permite especificar com rigor toda e qualquer localização à face da Terra.

Sistema solar, órbitas planetárias

As órbitas dos oito planetas do nosso sistema solar são elípticas.

Terra

A Terra é um planeta rochoso com uma crosta sólida e oxigénio na sua atmosfera.

Zonação altitudinal

Nas áreas montanhosas, o clima, o solo, a flora e a fauna variam com a altitude.

Added to your cart.