Monstros do Paleozoico: Euriptéridos, escorpiões marinhos

Monstros do Paleozoico: Euriptéridos, escorpiões marinhos

Hoje extintos, estes animais da era paleozoica eram artrópodes aquáticos predadores.

Biologia

Palavras-chave

criatura pré-histórica, fóssil, escorpiões marinhos, extinto, euriptérido, paleozoico, história da Terra, época geológica, Cambriano, Permiano, abdómen, quelícera, camada de quitina, armadura, cefalotórax, carapaça, artrópode, predador, carnívoro, artrópodes, animal, biologia

Extras relacionados

Cenas

Euriptéridos

Os euriptéridos, ou escorpiões marinhos, eram artrópodes aquáticos predadores que viviam no Paleozoico. É a maior espécie extinta de artrópodes que alguma vez existiu. Embora parecessem escorpiões devido ao seu pós-abdómen e telson (ou seja, apêndice em forma de espinho), na verdade não eram. Pertenciam ao grupo dos Quelicerados e eram aparentados com os Aracnídeos.

O cefalotórax dos escorpiões marinhos estava coberto por uma carapaça rígida. Os seus primeiros pares de patas serviam para locomoverem e alimentarem, enquanto os últimos pares de patas eram para nadar.

Com base nos fósseis encontrados, são conhecidas mais de 200 espécies de euriptéridos, a mais comum das quais sendo provavelmente o Eurypterus giganteus. Alguns maiores exemplares dessa espécie podiam alcançar até 130 centímetros de comprimento.

O Mixopterus kiaeri alcançou um tamanho semelhante. Estas espécies tinham como característica dois enormes pares de patas locomotoras com espinhos longos.

O Megalograptus também tinha patas locomotoras desenvolvidas e alguns espécimes podiam medir 170 centímetros de comprimento.

O maior euriptérido encontrado foi o Jaekelopterus rhenaniae, que provavelmente media cerca de 2,5 metros de comprimento e tinha garras assustadoras de 40 centímetros de comprimento.

Natação

Eurypterus giganteus

  • olhos compostos
  • ocelos (olhos simples)
  • cefalotórax
  • abdómen
  • télson
  • pós-abdómen
  • carapaça
  • patas para nadar
  • patas marchadoras
  • quelícera

Mixopterus kiaeri

  • olhos compostos
  • cefalotórax
  • abdómen
  • télson
  • pós-abdómen
  • carapaça
  • patas para nadar
  • patas marchadoras
  • quelícera

Megalograptus

  • olhos compostos
  • cefalotórax
  • abdómen
  • télson
  • pós-abdómen
  • carapaça
  • patas para nadar
  • patas marchadoras
  • quelícera

Jaekelopterus rhenaniae

  • olhos compostos
  • ocelos (olhos simples)
  • cefalotórax
  • abdómen
  • télson
  • pós-abdómen
  • carapaça
  • patas para nadar
  • patas marchadoras
  • quelícera

Comparação

  • Eurypterus giganteus
  • Megalograptus
  • Jaekelopterus rhenaniae
  • Mixopterus kiaeri

Animação

  • olhos compostos
  • ocelos (olhos simples)
  • cefalotórax
  • abdómen
  • télson
  • pós-abdómen
  • carapaça
  • patas para nadar
  • patas marchadoras
  • quelícera

Narração

Os euriptéridos, ou escorpiões marinhos, eram artrópodes aquáticos predadores que viviam no Paleozoico. É a maior espécie extinta de artrópodes que alguma vez existiu. Embora parecessem escorpiões devido ao seu pós-abdómen e telson (ou seja, apêndice em forma de espinho), na verdade não eram. Pertenciam ao grupo dos Quelicerados e eram aparentados com os Aracnídeos.

O cefalotórax dos escorpiões marinhos estava coberto por uma carapaça rígida. Os seus primeiros pares de patas serviam para locomoverem e alimentarem, enquanto os últimos pares de patas eram para nadar.

Com base nos fósseis encontrados, são conhecidas mais de 200 espécies de euriptéridos, a mais comum das quais sendo provavelmente o Eurypterus giganteus. Alguns maiores exemplares dessa espécie podiam alcançar até 130 centímetros de comprimento.

O Mixopterus kiaeri alcançou um tamanho semelhante. Estas espécies tinham como característica dois enormes pares de patas locomotoras com espinhos longos.

O Megalograptus também tinha patas locomotoras desenvolvidas e alguns espécimes podiam medir 170 centímetros de comprimento.

O maior euriptérido encontrado foi o Jaekelopterus rhenaniae, que provavelmente media cerca de 2,5 metros de comprimento e tinha garras assustadoras de 40 centímetros de comprimento.

Extras relacionados

Trilobites

Estes antepassados dos aracnídeos e dos crustáceos pertenciam à classe dos trilobites.

Amonites

Grupo extinto de cefalópodes, com sólidos esqueletos externos, constituindo excelentes fósseis-índices.

Deriva continental na escala de tempo geológica

Ao longo da história da Terra, os continentes estão em constante movimento.

Escorpião de cauda grossa

O androctonus australis é um dos escorpiões mais perigosos do mundo.

Fauna e Flora carbonífera

Esta animação apresenta animais e plantas, muitos dos quais viviam no período entre o Devoniano e o Permiano (há 358-299 milhões de anos).

Vida no período Pérmico

Esta cena 3D apresenta a flora e fauna do último período da Era Paleozóica.

Ichthyostega

Anfíbio pré-histórico, representante dos tetrápodes que se extinguiram há 360 milhões de anos.

Ictiossauro

Dinossauros marinhos semelhantes aos golfinhos; um bom exemplo de evolução convergente.

Tiktaalik

Forma de transição entre os peixes e os tetrápodes (vertebrados de quatro patas).

Apatossauro

Dinossauro herbívoro de pescoço comprido e corpo robusto.

Deinonico

O Deinonico, cujo nome significa 'garra terrível', era um dos dinossauros carnívoros dromeossaurídeos.

Estegossauro

Tipo de réptil pré-histórico, com placas ósseas nas costas que ajudavam a regulação térmica.

Pteranodon longiceps

Réptil voador pré-histórico, muito semelhante às aves, embora não haja uma ligação direta entre as duas espécies.

Tyrannosaurus rex (‘lagarto tirano’)

Carnívoros de grandes dimensões, talvez os mais conhecidos de todos os dinossauros.

Tricerátopo

Tipo de dinossauro herbívoro, que habitou durante o Período Cretáceo, facilmente identificável pelo grande folho ósseo e pelos seus três chifres.

Added to your cart.