Couraçado (HMS Dreadnought, 1906)

Couraçado (HMS Dreadnought, 1906)

O Couraçado HMS Dreadnought revolucionou a forma de construir couraçados no século XX.

Tecnologia

Palavras-chave

encouraçado, Dreadnought, transporte aquático, navegação, marinha, torre de artilharia, batalha, canhão, lança-torpedos, convés, popa, bote salva-vidas, âncora, mastro do proa, mezena, leme, hélice, nação marítima, frota, transporte, técnica

Extras relacionados

Cenas

Couraçado Dreadnought

O HMS Dreadnought

O navio de guerra HMS Dreadnought, nome que significa 'sem medo', era o orgulho da Marinha Real Britânica. Construído em 12 meses no Royal Portsmouth Dock Yard, o HMS Dreadnought revolucionou a forma de fazer guerras navais e serviu de modelo para a construção de novos navios de guerra. O Dreadnought foi lançado, entrando em serviço, em 1906, embora não tenha desempenhado um papel importante na Primeira Guerra Mundial. Em 1919 deixou de ser utilizado, sendo desmantelado em 1923.

HMS Dreadnought

Vista de cima

Construção

A forma esguia e elítica assegurava a velocidade do couraçado, que além disso estava equipado com uma poderosa artilharia e uma espessa armadura. Media 160 metros de comprimento e 25 metros de largura, com um calado de 8 metros. A energia necessária para o seu funcionamento e deslocamento era fornecida por 18 caldeiras Babcock & Wilcox com turbinas a vapor.

Uma vez que os antigos motores a vapor com pistões foram substituídos por turbinas, o casco dos navios tornou-se menos alto, tornando-se assim um alvo mais difícil para os navios inimigos. No convés encontravam-se uma antena para as transmissões de rádio, duas chaminés enormes e uma torre de controlo. As torres de artilharia foram colocadas de forma a permitir que os canhões pudessem disparar em todas as direções. É evidente que a tripulação de 700 homens tinha de estar preparada para emergências, pelo que havia barcos salva-vidas no convés.

Armamento

Armamento

A pérola da marinha britânica era a síntese dos mais avançados conhecimentos militares e tecnológicos da época, permitindo a superação dos antigos modelos de navios de guerra. É por isso mesmo que os navios anteriores são designados de "pré-dreadnoughts".

Uma das inovações mais importantes era a sua poderosa artilharia. Os antigos pesados canhões habitualmente utilizados foram substituídos por 10 grandes canhões (305 mm) e 27 pequenos (76 mm). Além disto, o navio estava igualmente equipado com 5 lança-torpedos (450 mm). Os canhões pesados estavam instalados em 5 torres separadas..

O casco do navio estava protegido por uma blindagem de 100-280 mm de espessura, a couraça do convés tinha 75 mm de espessura e a das torres 280 mm. Embora o HMS Dreadnought tenha sido projetado pela Marinha Britânica para deter os alemães, o navio só logrou intensificar a corrida armamentista, já em curso.

Convés

No convés do couraçado

O HMS Dreadnought era manejado pela torre de controle, colocada em frente da primeira chaminé, onde havia a sala de controlo e a sala de rádio. Os canhões estavam instalados numa base giratória (torre), de modo a garantirem uma perfeita posição de fogo, horizontal e verticalmente. A par da velocidade e do raio de ação, o armamento era uma das principais características do couraçado. A velocidade máxima era de 39 km/h (21 nós). O seu raio de ação a uma velocidade de 19 km/h era de 12260 km e 9090 km a uma velocidade de 34 km/h (18 nós).

Torres de artilharia em ação

Construção

  • popa
  • barco salva-vidas
  • ponte
  • âncoras
  • torre de artilharia
  • canhão de 305 mm
  • mastaréu
  • mezena
  • chaminés
  • leme
  • hélices
  • antena de rádio

Animação

Funcionamento da rede anti-torpedo

  • rede anti-torpedo

Narração

O navio de guerra HMS Dreadnought, nome que significa 'sem medo', era o orgulho da Marinha Real Britânica. Construído em 12 meses no Royal Portsmouth Dock Yard, o HMS Dreadnought revolucionou a forma de fazer guerras navais e serviu de modelo para a construção de novos navios de guerra.

A pérola da marinha britânica era a síntese dos mais avançados conhecimentos militares e tecnológicos da época, permitindo a superação dos antigos modelos de navios de guerra. É por isso mesmo que os navios anteriores são designados de "pré-dreadnoughts". A forma esguia e elítica assegurava a velocidade do couraçado, que além disso estava equipado com uma poderosa artilharia e uma espessa armadura.

Media 160 metros de comprimento e 25 metros de largura, com um calado de 8 metros. A energia necessária para o seu funcionamento e deslocamento era fornecida por 18 caldeiras Babcock & Wilcox com turbinas a vapor. Uma vez que os antigos motores a vapor com pistões foram substituídos por turbinas, o casco dos navios tornou-se menos alto, tornando-se assim um alvo mais difícil para os navios inimigos. A velocidade máxima era de 39 km/h (21 nós). O seu raio de ação a uma velocidade de 19 km/h era de 12260 km e 9090 km a uma velocidade de 34 km/h (18 nós).

No convés encontravam-se uma antena para as transmissões de rádio, duas chaminés enormes e uma torre de controlo. Uma das inovações mais importantes era a sua poderosa artilharia. As torres de artilharia foram colocadas de forma a permitir que os canhões pudessem disparar em todas as direções. Em caso de necessidade, a tripulação de 700 homens podia usar os barcos salva-vidas que se encontravam no convés. O HMS Dreadnought era manejado pela torre de controlo, colocada em frente da primeira chaminé, onde havia a sala de controlo e a sala de rádio.

O Dreadnought foi lançado, entrando em serviço, em 1906, embora não tenha desempenhado um papel importante na Primeira Guerra Mundial. Embora o HMS Dreadnought tenha sido projetado pela Marinha Britânica para deter os alemães, o navio só logrou intensificar a corrida armamentista, já em curso. Em 1919 deixou de ser utilizado, sendo desmantelado em 1923.

Extras relacionados

Cruzador Aurora (1900)

Este navio russo ficou famoso durante a Revolução de Outubro de 1917.

Armas (1ª Guerra Mundial)

Durante 1ª Guerra Mundial, o desenvolvimento de novas armas proporcionou grandes avanços na tecnologia militar.

Petroleiro

Os petroleiros apareceram no fim do século XIX e hoje pertencem ao grupo dos navios de maior porte.

Soldado britânico (1ª Guerra Mundial)

Na 1ª Guerra Mundial, o Reino Unido fez parte da aliança militar "Tríplice Entente".

Submarino SM U-35 (Alemanha, 1912)

Os submarinos tiveram um importante papel em combates navais a partir da 1ª Guerra Mundial.

Tanques (1ª Guerra Mundial)

Os tanques desenvolvidos em meados dos anos 1910 rapidamente se tornaram a arma mais importante em operações militares terrestres.

Barco a vapor Kisfaludy (1846)

O primeiro barco a vapor na Hungria entrou ao serviço em 1846.

Barco a vapor North River (Clermont) (1807)

O engenheiro americano Robert Fulton concebeu o primeiro barco funcional movido a vapor.

Titanic (1912)

O RMS Titanic foi o maior transatlântico do mundo no início do século XX.

USS Missouri (EUA, 1944)

O couraçado USS Missouri, utilizado pela primeira vez durante a Segunda Guerra Mundial, participou também na Guerra do Golfo.

USS Tarawa LHA-1 (1976)

A partir da década de 1940, os cada vez maiores porta-aviões tornaram-se senhores dos oceanos.

Aerodeslizador, mark III SR N4

Os aerodeslizadores podem viajar a alta velocidade à superfície da água.

Navio de guerra inglês (século XVIII)

Nos séculos XVII, XVIII e XIX, os navios à vela ingleses estavam entre os melhores do mundo.

Navio porta-contentores

As rotas comerciais marítimas de navios porta-contentores, que apareceram e se propagaram depois da 2ª Guerra Mundial, formam hoje uma rede global.

Quinquerreme (século III a.C.)

Este barco, com várias fileiras de remos, era o barco típico da Era Helenística.

RMS Queen Mary 2 (2003)

O maior transatlântico à época da sua construção.

Soldado alemão (1ª Guerra Mundial)

Durante a 1ª Guerra Mundial, os soldados alemãos foram bem treinados e utilizavam armas modernas.

Soldado francês (1ª Guerra Mundial)

Na 1ª Guerra Mundial, a França fez parte da aliança militar "Tríplice Entente".

USS Ohio (EUA, 1979)

A Marinha americana foi a primeira a utilizar a propulsão nuclear como fonte de energia nos seus submarinos, em meados do século XX.

Added to your cart.