Canal de Suez

Canal de Suez

O Canal de Suez é uma hidrovia artificial entre o Mar Vermelho e o Mar Mediterrâneo.

Geografia

Palavras-chave

Canal de Suez, Szuez, canal, Egito, mar Mediterrâneo, transporte aquático, rotas, Mar Vermelho, comércio, navegação, transporte de mercadorias, África, rede, logística, transporte, nó de ligação, capacidade de transporte, global, economia, técnica, Europa, Terra, geografia humana, sociedade, geografia

Extras relacionados

Cenas

Centros de comércio marítimo

O canal de Suez é uma hidrovia artificial com um comprimento de 192 km, localizada no atual Egito.

O canal foi construído entre o Mar Vermelho e o Mar Mediterrâneo para encurtar as rotas marítimas entre a Ásia e a Europa.

A ideia de construir um canal artificial já surgiu durante o reinado dos faraós egípcios. No século XIX a.C., foi construído um canal entre o Nilo e o Mar Vermelho. Naquela altura, este último estava localizado mais a norte do que hoje. Este canal desapareceu por volta do século VII a.C., devido ao clima seco da região naquela época. A construção de um canal, à imagem do atual, com direção norte-sul, começou logo no século VI a.C. e atingiu o Mar Vermelho por volta do século III a.C.. O canal, várias vezes abandonado e restaurado, ficou estagnado no final do século VIII d.C..

Após quase um milhar de anos, os Franceses, liderados por Ferdinand de Lesseps, começaram a construir o atual Canal de Suez em 1859. A construção foi concluída dez anos mais tarde, em 1869. O canal esteve sob controlo britânico a partir de 1882 até 1956, ano em que foi nacionalizado pelo Egito. O Canal de Suez esteve fechado entre 1967 e 1975 por causa dos conflitos israelo-árabes. A ampliação da hidrovia artifical começou em 2014. Tanto a criação de um novo canal como o aprofundamento e o alargamento do canal existente permitiram a navegação em dois sentidos no Canal de Suez. Por conseguinteo, a duração de tráfego diminuiu de 18 para 11 horas.

Canal de Suez

Fases da construção

Vista lateral

O Canal de Suez não segue em linha reta, passando por vários lagos. É uma das mais compridas hidrovias do mundo sem comportas.

A profundidade do canal ultrapassa os 20 metros; a uma profundidade de 11 metros, tem uma largura de pelo menos 200 metros, estando porém em contínuo aprofundamento e alargamento. A constante dragagem do canal é indispensável por causa das frequentes tempestades de areia que acontecem na região.

Rotas alternativas

Sem o canal, a viagem entre a Ásia e a Europa seria milhares de quilómetros mais comprida, porque os navios deveriam navegar à volta de África.
As rotas marítimas da Ásia à costa oriental da América também são mais curtas atravessando o Canal de Suez, em vez de atravessar o Canal do Panamá.

Dados

Rotas

O Canal de Suez é uma das hidrovias artificiais mais importantes e movimentadas do mundo. É a principal fonte de rendimento do Egito. A maioria dos navios que o atravessa circula entre a Ásia e a Europa, embora navios de todos os outros continentes também o atravessem.

Tráfego

Cada ano, entre 18.000 e 20.000 navios atravessam o Canal de Suez. Isto constitui cerca de 10% de todo o comércio marítimo. Apesar de o número de navios que atravessam o canal ter estagnado desde finais dos anos 2000, a quantidade de carga está em contínuo aumento graças à crescente capacidade de carga dos navios.

Tipos de navios

São maioritariamente os navios porta-contentores que atravessam o Canal de Suez. No entanto, o número dos petroleiros e dos navios de carga seca também é significativo. Os navios atravessam o canal em caravana; num dia normal, duas caravanas viajam para sul e uma para norte.

Animação

Narração

O canal de Suez é uma hidrovia artificial com um comprimento de 192 km, localizada no atual Egito.

O canal foi construído entre o Mar Vermelho e o Mar Mediterrâneo para encurtar as rotas marítimas entre a Ásia e a Europa.

A ideia de construir um canal artificial já surgiu durante o reinado dos faraós egípcios. No século XIX a.C., foi construído um canal entre o Nilo e o Mar Vermelho. Naquela altura, este último estava localizado mais a norte do que hoje. Este canal desapareceu por volta do século VII a.C., devido ao clima seco da região naquela época. A construção de um canal, à imagem do atual, com direção norte-sul, começou logo no século VI a.C. e atingiu o Mar Vermelho por volta do século III a.C.. O canal, várias vezes abandonado e restaurado, ficou estagnado no final do século VIII d.C..

Após quase um milhar de anos, os Franceses, liderados por Ferdinand de Lesseps, começaram a construir o atual Canal de Suez em 1859. A construção foi concluída dez anos mais tarde, em 1869. O canal esteve sob controlo britânico a partir de 1882 até 1956, ano em que foi nacionalizado pelo Egito. O Canal de Suez esteve fechado entre 1967 e 1975 por causa dos conflitos israelo-árabes. A ampliação da hidrovia artifical começou em 2014. Tanto a criação de um novo canal como o aprofundamento e o alargamento do canal existente permitiram a navegação em dois sentidos no Canal de Suez. Por conseguinteo, a duração de tráfego diminuiu de 18 para 11 horas.

O Canal de Suez não segue em linha reta, passando por vários lagos. É uma das mais compridas hidrovias do mundo sem comportas.

A profundidade do canal ultrapassa os 20 metros; a uma profundidade de 11 metros, tem uma largura de pelo menos 200 metros, estando porém em contínuo aprofundamento e alargamento. A constante dragagem do canal é indispensável por causa das frequentes tempestades de areia que acontecem na região.

Sem o canal, a viagem entre a Ásia e a Europa seria milhares de quilómetros mais comprida, porque os navios deveriam navegar à volta de África.
As rotas marítimas da Ásia à costa oriental da América também são mais curtas atravessando o Canal de Suez, em vez de atravessar o Canal do Panamá.

O Canal de Suez é uma das hidrovias artificiais mais importantes e movimentadas do mundo. É a principal fonte de rendimento do Egito. A maioria dos navios que o atravessa circula entre a Ásia e a Europa, embora navios de todos os outros continentes também o atravessem.

Cada ano, entre 18.000 e 20.000 navios atravessam o Canal de Suez. Isto constitui cerca de 10% de todo o comércio marítimo. Apesar de o número de navios que atravessam o canal ter estagnado desde finais dos anos 2000, a quantidade de carga está em contínuo aumento graças à crescente capacidade de carga dos navios.

São maioritariamente os navios porta-contentores que atravessam o Canal de Suez. No entanto, o número dos petroleiros e dos navios de carga seca também é significativo. Os navios atravessam o canal em caravana; num dia normal, duas caravanas viajam para sul e uma para norte.

Extras relacionados

Navio porta-contentores

As rotas comerciais marítimas de navios porta-contentores, que apareceram e se propagaram depois da 2ª Guerra Mundial, formam hoje uma rede global.

Petroleiro

Os petroleiros apareceram no fim do século XIX e hoje pertencem ao grupo dos navios de maior porte.

Porto

Os portos têm de fornecer as infraestruturas e serviços necessários à indústria e transportes marítimos.

Redes de transporte

A animação mostra as principais rotas aéreas, aquáticas e terrestres e também os nós de transporte.

Canal do Panamá

O Canal do Panamá é uma hidrovia artificial criada para encurtar as rotas marítimas entre o Oceano Pacífico e o Oceano Atlântico.

Continentes e oceanos

A terra firme na superfície do nosso planeta está dividida em continentes, por sua vez separados por oceanos.

Mares e golfos

Esta animação mostra os principais mares e golfos.

Topografia da Terra

Esta animação apresenta as montanhas, as planícies, os rios, os lagos e os desertos de maior tamanho da Terra.

Topografia histórica (locais históricos)

Encontra num mapa vazio lugares históricos importantes.

Added to your cart.